“La Esmeralda”

EsmeraldaLibreto: D. Sloman 
Coreografia: Julles Perrot 
Cenários: William Griene 
Música: Cesare Pugni Figurino: Mme Lopère
Estréia mundial: 9 de março de 1844 no Teatro de Sua Majestade em Londres, Inglaterra. Carlota Grisi interpretou Esmeralda; Jules Perrot, Gringoire; Arthur Saint-Leon, Febo; Louis François Grusselin, Frollo; Antoine Coulon, Quasímodo; Adelaide Frassi, Flor de Lis.

Ato I – O pátio dos milagres ao entardecer.

No século XV, em Paris, chega ao Pátio dos Milagres o poeta Gringoire, perseguido por ladrões e mendigos. Acaba sendo condenado à morte quando estes percebem que não carrega nada de valor consigo. Uma enorme multidão se aproxima para ver o que está acontecendo. Um dos ladrões, Clopin, resolve dar uma chance a Gringoire, se ele encontrasse uma moça, dentre aquelas que ali estavam, que aceitasse casar com ele, seria liberto. A bela e jovem Esmeralda, compadecida com a situação do rapaz, aceita casar-se com ele.

Claude Frollo confessa a Clopin sua paixão por Esmeralda e com a ajuda deste declara-se à moça. Mais tarde, Frollo procura pelo corcunda Quasímodo, sineiro da igreja de Notre Dame e também apaixonado por Esmeralda, com o intento de pega-la. O plano fracassa, o oficial Phoebus chega na hora e consegue prender Quasímodo. Ao conversar com Esmeralda, um sentimento começa a surgir entre eles. A cigana convence-o a soltar o corcunda.

Ato II (Cena I) – O quarto de Esmeralda.

Sozinha em seu quarto, carregando a faixa de Phoebus, Esmeralda pensa no rapaz e escreve seu nome na mesa. Pouco tempo depois Gringoire chega, tenta inutilmente agarra-la, pois a moça ameaça-o com um punhal e revela ter aceitado o casamento unicamente por piedade. Mais tarde entram Frollo e Quasímodo, para que Frollo declare seu amor pela cigana, no entanto ela mostra-lhes o nome de Phoebus por ela escrito na mesa. Esmeralda foge, Frollo sai atrás dela e acaba encontrando Gringoire, tenta apunhalar o rapaz, mas Quasímodo impede, o corcunda anseia vingar-se de Phoebus.

Ato II (Cena II) – Jardim da mansão de Gondelaurier.

Estão sendo feitos os preparativos para o casamento de Fleur de Lys com Phoebus. A noiva dança alegremente com suas amigas, porém Phoebus é indiferente à situação. Chega Esmeralda, dançando com Gringoire. Phoebus não consegue evitar que seus sentimentos pela cigana transpareçam, deixando sua noiva decepcionada, e principalmente enfurecida. A raiva é agravada ao notar que Esmeralda carrega consigo a faixa de Phoebus. Fleur de Lys consegue arrancar a faixa, porém, cai no chão desmaiada. A moça é levada para casa, enquanto Gringoire protege a saída de Esmeralda, Phoebus segue os dois.

Ato III (Cena I) – Aposento em uma taberna

Frollo, com a ajuda de Clopin, esconde-se com um punhal no aposento. Esmeralda e Phoebus chegam, conversam sobre o amor e de repente Frollo salta para ataca-los. O oficial puxa Esmeralda para um quarto, um tiro é ouvido, Frollo sai correndo e salta pela janela, entra Clopin, seguido por outras pessoas, e acusa a cigana de assassinato. A moça é presa.

Ato III (Cena II) – As margens do rio Sena; à direita, uma prisão.

Esmeralda vai para a prisão, Gringoire fica horrorizado com a notícia de condenação à morte. Esmeralda é levada para a execução. Frollo diz que evitará sua morte se ela casar com ele, porém, Phoebus chega ao local, inocenta Esmeralda e declara Frollo culpado. Esmeralda declara seu amor a Phoebus. Frollo tenta apunhalar a cigana mas é impedido por Quasímodo que com o mesmo punhal mata-o . Uma grande celebração é feita pela liberdade de Esmeralda.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: